Sexta-feira
16 de Novembro de 2018 - 
A justiça atrasada não é justiça, senão injustiça qualifica.

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Últimas notícias

Desafios atuais no Direito de Família pautam palestra na Seccional

                 Nádia Mendes "Vivemos tempos líquidos. Nada é pra durar." A frase e os ensinamentos do sociólogo polonês Zygmunt Bauman nortearam a palestra da professora da Uerj e especialista em Direito Civil Heloisa Helena Barboza, na última edição do ano das reuniões abertas da Comissão de Direito Civil da OAB/RJ. O encontro aconteceu nesta quarta-feira, dia 7, e foi transmitido pelo canal da Ordem no Youtube. Veja a transmissão.   Barboza falou sobre os desafios atuais no Direito de Família e pontuou que esse ramo do Direito se apresenta cada vez mais de forma complexa. "Só essa ideia de que nada é para durar já nos dá uma instabilidade e gera uma angustia", afirma. "Bauman compara a situação da sociedade a características próprias dos líquidos. Segundo ele, a sociedade se comporta como os líquidos: é instável, não tem coesão e não tem forma definida. Vivemos em uma sociedade em que tudo é volátil, o que se contrapõe à modernidade sólida das décadas anteriores, em que tudo era ordenado, coeso, estável e, principalmente, previsível", explicou.    O casamento que durava para sempre, como o das princesas dos contos de fadas, foi o exemplo usado por ela para demonstrar a diferença entre os tempos líquidos e os sólidos. Ela lembrou que no Brasil o casamento foi indissolúvel até 1977. Para Barboza, atualmente as mulheres estão buscando uma (re) significação na sociedade. "Buscam passar de sujeito a pessoa, para a conquista de sua dignidade social", disse.   Segundo ela, muitos dos desafios que o Direito de Família enfrenta atualmente decorrem do fato de que o país não tem uma legislação adequada. "Esse descompasso legislativo dificulta a solução de situações que já são, por natureza, difíceis. Hoje trabalhamos muito com a ideia da afetividade no direito de família, mas temos que lembrar que essa também é uma afetividade líquida. Não podemos mais relacionar como relações permanentes, mesmo em relações paterno-filiais", afirmou. 
08/11/2018 (00:00)
Visitas no site:  80976
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia